Pular para o conteúdo principal

O Brasil lhe agradece, Felipão

O fato da Copa do Mundo de Futebol está sendo realizada no Brasil, provocou inúmeros questionamentos sobre sua relevância em nosso território. Os movimentos populares, ocorridos em várias partes do país, pelo “não vai ter copa” tentavam ecoar na mente e nos corações, proposições sobre a importância de se aplicar em outras demandas os bilhões de reais gastos com a Copa da FIFA 2014, além de chamar à atenção para o que foi deixado de ganhar pela isenção de tributação à FIFA.

Enquanto muitos brasileiros enxergavam essas distorções sociais, entre o real e o sonho, outros (a maioria) apostavam suas emoções em mais uma festividade. Afinal, temos tantas coisas para esquecer! Tantas realidades amargas! Tantos desencontros conosco mesmo! Tantos descaminhos! Por que não pular mais um carnaval fora de época? Diziam.

A minoria, ao contrário, asseverava não! Não à Copa, não à FIFA. Enxergava outras prioridades: saúde, segurança, educação, moradia, saneamento básico, obras de infraestrutura, emprego, combate à inflação, e por aí vai. Não queria viver a vida como se o mundo fosse terminar amanhã. Pensava na sua posteridade, num Brasil melhor para os que ainda estão crescendo, e para outros que virão. Queria fazer como a Suécia e a Suíça, que disseram não aos eventos esportivos internacionais em seus territórios, porque tinham outras prioridades. Entre os empolgados com a Copa e os insurgentes, venceram os primeiros. Será? Lembrei agora do que escrevi em outro artigo:

O fato do Brasil ser um país festivo, que encontra razão de comemoração em tudo, mascara a realidade dos fatos ao mesmo tempo que testifica sua mediocridade. (PITANGA, 2014).

A política brasileira reflete o que somos. Queremos dar jeitinho em tudo, queremos ser o que ainda não somos, acreditamos que somos merecedores de algo que não trabalhamos para conquistarmos, nos consideramos mais dignos do que os demais; mesmo vendo que o talento do outro é maior. Queremos acreditar que a garra vale mais do que a técnica, do que os estudos. Queremos pra nós o que é do outro. Mesmo "jogando" mal. Não, brasileiros e brasileiras, não é verdade, não se enganem, não pertencemos ao 'terceiro mundo' por um acaso. E não venham colocar mais uma culpa nos Estados Unidos da América, como estamos acostumados a fazer, por favor. O problema somos nós. Nós somos nosso maior inimigo.

Até hoje à tarde o circo ainda estava montado por completo, repórteres apostavam numa zebra, na vitória do Brasil sobre a Alemanha. Acreditando que o passado pudesse trazer os espíritos dos mais ilustres dos jogadores para ajudar. Mas não é dos detalhes do futebol que quero falar, não me interessa o excesso de serviço psicológico para os atletas, os desacertos do técnico e da comissão técnica, e, sim, dos ensinamentos dessa derrota. Chamamos de técnico quem não é técnico; chamamos de professor quem não é professor; chamamos de especialista, verdadeiros charlatões; chamamos de mestres, verdadeiros embusteiros; chamamos de Vossa Excelência parte da escória desse país.

O primeiro golpe dessa Copa veio das mãos daquela que foi eleita para cuidar do Brasil, para ser a gestora dessa nação, a presidente Dilma Rousseff, quando, através de Decreto, isentou a FIFA de pagamentos de vários tributos. Na Lei 12.350 de 2010, alterada em 2014, aparece a palavra ‘isenta’ 32 vezes. O presidente do STF, Joaquim Barbosa, foi a única pessoa pública a se manifestar contra, e a dizer que seria o povo brasileiro que pagaria essa conta. E não tenha dúvida de que será.

No final do jogo, Davi Luiz pediu desculpas ao povo. Disse que [diante de tantas tristezas vividas pelos brasileiros], queria dar pelo menos essa alegria ao povo. Não Davi Luiz, você está enganado, a vitória produziria mais torpor na nação. Você, seus companheiros e Felipão, ainda que inconscientemente, deram um chute na hipnose. O povo brasileiro não está amadurecido para viver entre a diversão e o dever.

Em outubro próximo, teremos uma chance de amenizar essas derrotas que estamos sofrendo, que saibamos extirpar parte desses cânceres que vêm corroendo o Brasil e nossos sonhos, a exemplo do “emprego irregular de verbas ou rendas públicas“ - art. 315; da “Prevaricação” - art. 319; da “Condescendência criminosa” - art. 320; do “Peculato” - art. 312 e 313; do “Excesso de exação” – art. 316 § 1º; da “Corrupção passiva” – art. 317; sem falar dos conchavos, da falta de investimentos, do abandono estatal, das alianças espúrias e oportunistas, da má gestão da coisa pública, dentre outras mazelas. Isso, sim, será uma goleada.



M. P.

Comentários

  1. Bravíssimo! Pura verdade, contextualiazada academicamente! Artigo irretocável!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo contato, em breve retornarei.

Postagens mais visitadas deste blog

Celso de Mello entre o dilema Quarta-feira de cinzas e Páscoa

Bem que a quarta-feira próxima, dezoito de setembro de dois mil e treze, poder-se-ia se transformar numa antecipação simbólica da quarta-feira de cinzas do calendário judaico-cristão, dia inaugural da quaresma. Período de forte simbolismo, em que a maioria dos cristãos do ocidente e da comunidade judaica ficam reflexivos, e a lembrarem da saída do povo de Israel do Egito rumo à Canaã, após quarenta anos de prisão. 
É, pois, um dia de lembrança da condição de mortal e das próprias limitações. Um tempo de reexame de nossas ações, de lamento e de renovadas esperanças. É por isso que os católicos recebem as cinzas na testa. É por isso que muitos relatos bíblicos fazem menção a personagens que na hora da tristeza e do lamento lançaram cinzas sob a própria cabeça, em sinal de arrependimento e de reconhecimento da condição de diminuto valor. Sem esse ritual da quaresma não se pode entrar à Páscoa cristã, ou ao Pessach judaico. Ou seja, vivenciarem o êxodoOs quarenta anos no Egito foram quesit…

Escalpelamento: uma tragédia aununciada

A região norte, sobretudo a área ribeirinha, guarda contornos sociais, políticos e culturais que chocam as pessoas de bem, e limitam a capacidade de agir. O mesmo se poderia dizer de outras áreas da federação, sim, talvez, como o nordeste por exemplo. No mês passado, em 28 de agosto, se comemorou o Dia Nacional de Combate e Prevenção ao Escalpelamento.  
Não houve festas, pelo menos para as vítimas desse infortúnio. Desde 2007 que tramita na Câmara dos Deputados federal algum tipo de projeto, indicação ou ementa versando sobre o assunto, porém, timidamente, somente dois foram transformados em Lei: PL 1531/2007 e PL 1883/2007. O primeiro, dois anos depois, tornou obrigatório o uso de proteção no motor e eixo das embarcações em todo território nacional, o segundo, três anos depois, instituiu o Dia Nacional de Combate e Prevenção ao Escalpelamento.
Parece-me, pelo visto, que os deputados e senadores não perceberam a importância e a gravidade da causa. Debruçam sobre seus próprios interesse…

Liberdade de imprensa (I)

A liberdade da imprensa brasileira nas grandes coberturas jornalísticas, envolvendo casos de corrupção nos quadros políticos do Brasil, provoca uma indagação: essa liberdade existe ou é apenas aparente? 

Do ponto de vista dialético, a liberdade de imprensa existe. Ou seja, na medida em que exista a possibilidade de tornar o “fato” político – público, e, as versões confrontadas. Contudo, é possível constatar que nas grandes matérias envolvendo corrupção, a grande mídia só divulgou as notícias depois que ocorreu o “furo de reportagem” por parte de um único veículo de comunicação.

Cumpre se perguntar se nesse esforço dialético há de fato uma preocupação na manutenção da imparcialidade e na persecução da investigação das denúncias publicadas, ou seja, divulgar as matérias sem a intenção de alienar as massas, com o objetivo de desinformar, ao invés de informar. Se a mídia se posicionasse nesse quadro com imparcialidade, tratar-se-ia de uma mídia independente, com liberdade e transparência.
Ab…