Pular para o conteúdo principal

O direito brasileiro e o fausto romano (I)

O direito brasileiro herdou dos romanos sua maior contribuição, tanto no campo do direito, propriamente dito, como na seara dos costumes. No campo do direito as contribuições foram em matéria de Direito Civil e de Família, por exemplo. Na seara dos costumes, o fausto, as regalias, as prerrogativas. Sobretudo, nas cortes mais altas. Ainda hoje se vê muita opulência, ostentação e privilégios.

Os tribunais ainda são “caixas pretas”, apesar do CNJ. Pouco se sabe sobre aqueles que, como última expressão, julgam as demandas da sociedade. Desde épocas mais remotas, as classes mais privilegiadas e dominantes, se preocupavam em organizar, duradouramente, o que já estava funcionando. E tem sido assim até hoje. Se esquecem que a condição natural dos corpos é o movimento e não o repouso. É assim na natureza, é assim na vida.

Os tribunais têm resistido a todo custo a mudanças. Querem manter sigiloso todo e qualquer dado que revele detalhes de sua dinâmica; ainda que tenham que se indispor com a sociedade ou com o Conselho Nacional de Justiça.  A dialética da magistratura deu lugar à agressividade dos magistrados. Na lista dos inimigos estão a imprensa e o próprio CNJ. O Conselho Nacional de Justiça e a imprensa expuseram o fausto. Tudo ficou às claras: as viagens, os banquetes, os coquetéis, as altas retiradas, as movimentações bancárias milionárias, o nepotismo.

É bom que se diga que essa resistência não tem sido a regra de todos os tribunais, nem de todos os magistrados. O caso mais conhecido se deu em São Paulo, conforme noticiado por toda a imprensa. Enquanto isso, milhares de processos aguardam empilhados por uma mão que resolva saca-los das prateleiras empoeiradas dos fóruns. 


Assim, parte daqueles que deveriam ser os guardiões dos direitos dos cidadãos, e promotores de garantias constitucionais que diminuem as diferenças sociais, são na verdade, detentores do “direito” de legislarem em causa própria, na medida em que é o próprio direito que lhes asseguram as garantias e as vantagens do cargo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Celso de Mello entre o dilema Quarta-feira de cinzas e Páscoa

Bem que a quarta-feira próxima, dezoito de setembro de dois mil e treze, poder-se-ia se transformar numa antecipação simbólica da quarta-feira de cinzas do calendário judaico-cristão, dia inaugural da quaresma. Período de forte simbolismo, em que a maioria dos cristãos do ocidente e da comunidade judaica ficam reflexivos, e a lembrarem da saída do povo de Israel do Egito rumo à Canaã, após quarenta anos de prisão. 
É, pois, um dia de lembrança da condição de mortal e das próprias limitações. Um tempo de reexame de nossas ações, de lamento e de renovadas esperanças. É por isso que os católicos recebem as cinzas na testa. É por isso que muitos relatos bíblicos fazem menção a personagens que na hora da tristeza e do lamento lançaram cinzas sob a própria cabeça, em sinal de arrependimento e de reconhecimento da condição de diminuto valor. Sem esse ritual da quaresma não se pode entrar à Páscoa cristã, ou ao Pessach judaico. Ou seja, vivenciarem o êxodoOs quarenta anos no Egito foram quesit…

Escalpelamento: uma tragédia aununciada

A região norte, sobretudo a área ribeirinha, guarda contornos sociais, políticos e culturais que chocam as pessoas de bem, e limitam a capacidade de agir. O mesmo se poderia dizer de outras áreas da federação, sim, talvez, como o nordeste por exemplo. No mês passado, em 28 de agosto, se comemorou o Dia Nacional de Combate e Prevenção ao Escalpelamento.  
Não houve festas, pelo menos para as vítimas desse infortúnio. Desde 2007 que tramita na Câmara dos Deputados federal algum tipo de projeto, indicação ou ementa versando sobre o assunto, porém, timidamente, somente dois foram transformados em Lei: PL 1531/2007 e PL 1883/2007. O primeiro, dois anos depois, tornou obrigatório o uso de proteção no motor e eixo das embarcações em todo território nacional, o segundo, três anos depois, instituiu o Dia Nacional de Combate e Prevenção ao Escalpelamento.
Parece-me, pelo visto, que os deputados e senadores não perceberam a importância e a gravidade da causa. Debruçam sobre seus próprios interesse…

Liberdade de imprensa (I)

A liberdade da imprensa brasileira nas grandes coberturas jornalísticas, envolvendo casos de corrupção nos quadros políticos do Brasil, provoca uma indagação: essa liberdade existe ou é apenas aparente? 

Do ponto de vista dialético, a liberdade de imprensa existe. Ou seja, na medida em que exista a possibilidade de tornar o “fato” político – público, e, as versões confrontadas. Contudo, é possível constatar que nas grandes matérias envolvendo corrupção, a grande mídia só divulgou as notícias depois que ocorreu o “furo de reportagem” por parte de um único veículo de comunicação.

Cumpre se perguntar se nesse esforço dialético há de fato uma preocupação na manutenção da imparcialidade e na persecução da investigação das denúncias publicadas, ou seja, divulgar as matérias sem a intenção de alienar as massas, com o objetivo de desinformar, ao invés de informar. Se a mídia se posicionasse nesse quadro com imparcialidade, tratar-se-ia de uma mídia independente, com liberdade e transparência.
Ab…