Pular para o conteúdo principal

Infância roubada versus cidadania

O trabalho infantil é uma exploração histórica e milenar. A criança espartana era criada para a guerra já a partir dos sete anos. Na Europa industrial do século XIX, as crianças trabalhavam nas linhas de produção das indústrias, sobretudo, nas indústrias têxteis. No Brasil é o trabalho no campo que arregimenta a maioria delas. 

No Brasil, como na maior parte do mundo, esta exploração está ligada à pobreza e à miséria, que se instalaram com maior ímpeto no campo. A difícil vida rural, a distância dos principais centros econômicos do país e a falta de mecanismos de resgate da cidadania da família fazem dessas regiões celeiros para os oportunistas que querem explorar a mão-de-obra infantil.

O trabalho infantil é a exploração dos mais fracos, dos mais indefesos, dos inocentes. Como assinala o Artigo 4º do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente): é dever de todos, inclusive da sociedade assegurar os principais direitos às crianças. O Brasil precisa extirpar essa herança triste de nosso território. Para efeito é necessário punir com firmeza os infratores, e franquear a essas famílias oportunidades de serem cidadãos plenos de seus direitos.

A cidadania é exercida, pelo menos, em três esferas da dimensão humana com o estado: civil, política e social. Ou seja, quando os cidadãos têm respeitados seus direitos nessas três esferas.  Na esfera do direito civil, subentende-se o direito à locomoção, direito de ir e vir. Na esfera política, o direito é o de exercer seus direitos básicos de cidadão, como o de votar e ser votado, criticar, se associar, se sindicalizar, etc.; na esfera social temos o direito ao mínimo de oportunidade de sobrevivência. Portanto, direito ao trabalho, ao saneamento básico, a um justo salário, a uma escola de qualidade, à comida, à moradia.

Pensávamos, antes do nosso amadurecimento democrático, que uma vez atendidos os direitos políticos, o restante viria. Isso não acontece porque não temos a perfeição em escolher políticos corretos, íntegros e bons administradores. Ao contrário, muitas das vezes escolhemos corruptos, políticos cretinos e cínicos. Todo esse cenário alimenta a rede do trabalho infantil, porquanto se cria no núcleo familiar o “câncer” da necessidade, da miséria, da falta de criticidade. Alienação política e social. O cidadão brasileiro, sobretudo, miserável, está entregue a própria sorte.

Segundo o censo feito em 2005 pelo IBGE há 5.438 milhões de crianças e adolescentes entre 5 e 17 anos que trabalham no país. Desses, 42,2% (2,296 milhões) estão no nordeste e 27,82% (1,513 milhão) estão no sudeste. Não é difícil entender a causa desse mapa. As crianças nordestinas trabalham por consequência da miséria, da seca. As do Sudeste por causa da pobreza - muitas delas provindas dos morros do Rio de Janeiro - e, ambas, pela ausência de políticas públicas direcionadas.

Urge implantar soluções a curto e médio prazo. Em curto prazo seria a construção de escolas de tempo integral nos municípios mais próximos dos lugares inóspitos do país, principalmente do Nordeste, com transporte gratuito de qualidade que levasse e trouxesse as crianças. Os Governos Federal e Municipal podem trabalhar nesse sentido. Assim como desenvolver uma política de conscientização pelo controle de natalidade. E em médio prazo, a mudança na legislação penal brasileira. Em 2007 a estudante, Karine Souza Mendonça de 11 anos, que fez parte do programa Câmara Mirim apresentou um projeto de quatro artigos sugerindo exatamente a construção de escolas integrais, com três refeições diárias, bem como ajuda financeira às famílias.

Atualmente, essa infração é considerada apenas como infração administrativa. A demanda de todos que combatem esse infortúnio pueril é para que essa prática seja considerada infração penal, com pena de reclusão ou detenção para os agenciadores e empregadores dessa mão-de-obra, bem como para os pais que facilitarem a entrada de seus filhos no mercado de trabalho extemporaneamente. O Brasil tem essa dívida. A sociedade espera ansiosa por uma resposta política. Resposta essa que está longe de vir. Em 2005 a Mesa da Câmara dos Deputados arquivou a RCP 59/2007 (Requerimento de Instituição de CPI Nº 59), que visava apurar a exploração do trabalho infantil no Brasil, dentre outras providências. De lá para cá os projetos têm sido pífios.

Portanto, essas crianças são credoras nossas. E há urgência em paga-las, pois só faz aumentar a cada dia essa dívida. Deixemos de alimentar essa exploração histórica e milenar! Os filhos das elites estão protegidos, os lugares de destaque na sociedade foram reservados a eles, mas um país, no qual somente uma fração pequena da sociedade ganha, está fadado ao infortúnio e ao caos social. A implantação dessas poucas soluções já amenizaria parte do problema e de seus efeitos. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Celso de Mello entre o dilema Quarta-feira de cinzas e Páscoa

Bem que a quarta-feira próxima, dezoito de setembro de dois mil e treze, poder-se-ia se transformar numa antecipação simbólica da quarta-feira de cinzas do calendário judaico-cristão, dia inaugural da quaresma. Período de forte simbolismo, em que a maioria dos cristãos do ocidente e da comunidade judaica ficam reflexivos, e a lembrarem da saída do povo de Israel do Egito rumo à Canaã, após quarenta anos de prisão. 
É, pois, um dia de lembrança da condição de mortal e das próprias limitações. Um tempo de reexame de nossas ações, de lamento e de renovadas esperanças. É por isso que os católicos recebem as cinzas na testa. É por isso que muitos relatos bíblicos fazem menção a personagens que na hora da tristeza e do lamento lançaram cinzas sob a própria cabeça, em sinal de arrependimento e de reconhecimento da condição de diminuto valor. Sem esse ritual da quaresma não se pode entrar à Páscoa cristã, ou ao Pessach judaico. Ou seja, vivenciarem o êxodoOs quarenta anos no Egito foram quesit…

Escalpelamento: uma tragédia aununciada

A região norte, sobretudo a área ribeirinha, guarda contornos sociais, políticos e culturais que chocam as pessoas de bem, e limitam a capacidade de agir. O mesmo se poderia dizer de outras áreas da federação, sim, talvez, como o nordeste por exemplo. No mês passado, em 28 de agosto, se comemorou o Dia Nacional de Combate e Prevenção ao Escalpelamento.  
Não houve festas, pelo menos para as vítimas desse infortúnio. Desde 2007 que tramita na Câmara dos Deputados federal algum tipo de projeto, indicação ou ementa versando sobre o assunto, porém, timidamente, somente dois foram transformados em Lei: PL 1531/2007 e PL 1883/2007. O primeiro, dois anos depois, tornou obrigatório o uso de proteção no motor e eixo das embarcações em todo território nacional, o segundo, três anos depois, instituiu o Dia Nacional de Combate e Prevenção ao Escalpelamento.
Parece-me, pelo visto, que os deputados e senadores não perceberam a importância e a gravidade da causa. Debruçam sobre seus próprios interesse…

Liberdade de imprensa (I)

A liberdade da imprensa brasileira nas grandes coberturas jornalísticas, envolvendo casos de corrupção nos quadros políticos do Brasil, provoca uma indagação: essa liberdade existe ou é apenas aparente? 

Do ponto de vista dialético, a liberdade de imprensa existe. Ou seja, na medida em que exista a possibilidade de tornar o “fato” político – público, e, as versões confrontadas. Contudo, é possível constatar que nas grandes matérias envolvendo corrupção, a grande mídia só divulgou as notícias depois que ocorreu o “furo de reportagem” por parte de um único veículo de comunicação.

Cumpre se perguntar se nesse esforço dialético há de fato uma preocupação na manutenção da imparcialidade e na persecução da investigação das denúncias publicadas, ou seja, divulgar as matérias sem a intenção de alienar as massas, com o objetivo de desinformar, ao invés de informar. Se a mídia se posicionasse nesse quadro com imparcialidade, tratar-se-ia de uma mídia independente, com liberdade e transparência.
Ab…