Pular para o conteúdo principal

Escalpelamento: uma tragédia aununciada

A região norte, sobretudo a área ribeirinha, guarda contornos sociais, políticos e culturais que chocam as pessoas de bem, e limitam a capacidade de agir. O mesmo se poderia dizer de outras áreas da federação, sim, talvez, como o nordeste por exemplo. No mês passado, em 28 de agosto, se comemorou o Dia Nacional de Combate e Prevenção ao Escalpelamento.  

Não houve festas, pelo menos para as vítimas desse infortúnio. Desde 2007 que tramita na Câmara dos Deputados federal algum tipo de projeto, indicação ou ementa versando sobre o assunto, porém, timidamente, somente dois foram transformados em Lei: PL 1531/2007 e PL 1883/2007. O primeiro, dois anos depois, tornou obrigatório o uso de proteção no motor e eixo das embarcações em todo território nacional, o segundo, três anos depois, instituiu o Dia Nacional de Combate e Prevenção ao Escalpelamento.

Parece-me, pelo visto, que os deputados e senadores não perceberam a importância e a gravidade da causa. Debruçam sobre seus próprios interesses, enquanto a sociedade ziguezagueia com o pires não mão, ora no judiciário, ora na defensoria pública, ora na promotoria, ora nos gabinetes dos secretários municipal ou estadual. O poder legiferante tem transitado do legislativo para outros poderes, devido à inércia de nossos legisladores.

Com a desativação do garimpo de Serra Pelada (Pará), muitos motores utilizados no garimpo foram adaptados em embarcações ribeirinhas, trazendo perigo a centenas de milhares de pessoas que dependem economicamente da natureza em que vivem e, têm as embarcações como o seu principal e único meio de transportes.

O eixo do motor fica à mostra, fazendo o movimento de rotação numa velocidade tão rápida, que quando um cabelo cumprido encosta no eixo, ele é capaz de arrancar o couro cabeludo, sobrancelhas, orelhas, deformar nariz e boca de uma pessoa. E assim tem sido, já são quase 200 casos de escalpelamentos catalogados, na maior parte crianças. A fiscalização é muito ruim.  Conforme dito acima, o PL 1531/2007 transformado na Lei Ordinária 11970/2009, tornou obrigatório o uso de proteção no eixo do motor; é o que tem feito diminuir os casos de escalpelamento. O sofrimento é intenso e dura toda a vida. As pessoas, sobretudo mulheres que passaram por isso, não têm uma vida normal, além das constantes dores, tem a questão da estética, o cabelo nunca mais cresce.

Esse contexto mostra a importância de uma ação mais eficaz para dirimir os problemas e sofrimentos dessas vítimas do “acaso”. A Defensoria Pública da União se mobilizou para dirimir esses efeitos e a incidência desse tipo de acidente, trabalhando na prevenção e orientação. Muitos são os agentes envolvidos nessa causa e os resultados têm sido positivo. Mutirões foram feitos, algumas poucas dezenas de cirurgias foram realizadas no Pará. Mais ainda é pouco, falta transformar em Lei o PL 1879/2007, que dispõe sobre a Seguridade Social, cirurgias reparadoras e direitos trabalhistas às vítimas de escalpelamento nos acidentes com eixos dos motores de embarcações em todo o Território Nacional.

Até agora, em termos de benefício o máximo que conseguiram foi receber o seguro obrigatório de danos pessoais causados por embarcações ou suas cargas (seguro DPEM), faltam cirurgiões especialistas em reparação de orelhas, ausência de procedimento dessa natureza na tabela do SUS. O escalpelamento total foi equiparado à invalidez permanente, mais somente para efeito do seguro DPEM. O legislativo federal precisa dar uma resposta à altura do problema, enfrenta-lo e resolvê-lo. Essas medidas têm seu mérito, porém, algumas são paliativas e não resolvem o problema das vítimas de escalpelamento, que por sinal, são na maioria dos casos muito jovens. É preciso punir com prisão o responsável pelas embarcações sem proteção no eixo e que causem vítimas. O parágrafo 2° do artigo 4° da Lei 9.537/97 dispõe que nos casos de reincidência a multa será multiplicada por 3, a embarcação apreendida e a licença cassada. E o parágrafo 3° não exime o infrator das penalidades penais cabíveis. Na prática o parágrafo 3º da referida lei nunca é aplicado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Brasil lhe agradece, Felipão

O fato da Copa do Mundo de Futebol está sendo realizada no Brasil, provocou inúmeros questionamentos sobre sua relevância em nosso território. Os movimentos populares, ocorridos em várias partes do país, pelo “não vai ter copa” tentavam ecoar na mente e nos corações, proposições sobre a importância de se aplicar em outras demandas os bilhões de reais gastos com a Copa da FIFA 2014, além de chamar à atenção para o que foi deixado de ganhar pela isenção de tributação à FIFA.

Militância Juvenil: a caminho do quê?

Durante o curso de graduação em História, no Rio de Janeiro, as aulas quase sempre eram interrompidas por colegas que integravam o DCE (Diretório Central de Estudantes). A eleição para presidente do mesmo era disputadíssima, geralmente seu presidente era o braço e a voz da esquerda e dos comunistas dentro da faculdade. Ou seja, seus integrantes eram ligados aos partidos da esquerda mais radical ou aos comunistas. Na maioria, do PT e do PCdoB, depois alguns migraram para o PSOL. O catedrático da cadeira de História Moderna, inclusive, foi quem passou a lista solicitando assinaturas para ajudar fundar o PSOL, depois de se dizer decepcionado com o Partido dos Trabalhadores. Com todo respeito que lhe devo, mas, foi um otário.

O Regime das Adesões e Traições (I)

O jogo sujo de alguns líderes políticos de submeterem o apoio de seus partidos a um futuro governo Temer, ao controle dessa ou daquela pasta, pode levar esse futuro “governo provisório” a um final fatídico. No campo das expectativas o seu fracasso pode gerar decepções maiores às percebidas no último governo Dilma; isso porque embora as promessas de campanha de Dilma fossem falsas e irrealistas, Temer é visto como alguém mais centrado, equilibrado e ciente do que pode e deve ser feito para encaminhar o Brasil até 2018 com um controle maior sobre as contas públicas, os gastos, em respeito à Lei de Responsabilidade Fiscal, uma capacidade maior de atrair investimentos estrangeiros, uma melhor relação interpessoal com o legislativo e o judiciário, dentre outros benefícios. Assim, dele se espera muito, ainda que não admitamos em público.