Pular para o conteúdo principal

Desafios comportamentais da educação do Século XXI: conformações para uma educação melhor

Quando iniciei a escrita deste artigo, pensava nos educadores. Talvez acreditando que eles fossem a “pedra de esquina” da construção do saber. Tal foi a minha surpresa, quando comecei a refletir mais sobre o assunto. Lembrei-me logo daquela “pedra de esquina” mais antiga que “os construtores rejeitaram e jogaram fora”. Não estamos dizendo em hipótese alguma que os educadores não são peças fundamentais no processo educativo, mas, que os educandos têm uma rubrica indelével no processo de aprendizado. Contudo, os estudantes deste século, o brasileiro sobre tudo, estão “formatados” pelo status quo político, midiático e tecnológico para não representarem uma força em sentido contrário à atual conjuntura do país. A criança e o adolescente não sabem que o que os educadores pretendem é antes de tudo, convidá-los a trilhar alguns caminhos.

Erasmo de Rotterdam em seu livro sobre os meninos chega à conclusão parecida, quando afirma que o educador realiza, em plenitude, a paternidade. Essa constatação ganha sentido se compreendermos a vocação de um pai: Com seu filho ainda jovem, andam pelo parque, pelas ruas, pela praça, pelos saberes dos livros e das artes pictóricas, com a quase despreocupação de querer lhe ensinar alguma coisa. Mas, em mostrar-lhe o mundo para que possas apreciá-lo e assim, que aprendas a ver com os próprios olhos e tirar suas próprias conclusões.

"Os educandos têm uma rubrica indelével no processo de aprendizado"

O que uma criança poderia apreender nessa caminhada? Os sinais que despertam das rugas dos velhinhos nas praças públicas - que mostram cansaço, paciência e sabedoria; a mansidão e a prudência com que os pombos se alimentam nas praças; o som do universo no silêncio da noite; a música dos pássaros ecoada da vasta e assustadora floresta; as lágrimas dos menos abastados nos cantões da vida na cidade; a poesia realista e romântica que ao mesmo tempo em que choca, encanta.

As grandes telas que aprofundam a sensibilidade da alma; a simplicidade do caipira que nos ensina a conviver com o outro e com as coisas mais singelas da vida, sem querer nada em troca; os cálculos matemáticos que estão por trás da arquitetura do universo; a ciência empírica e funcional na mente dos povos da floresta; a brutalidade do homem que faz as guerras; as “marcas” da África que adoece “cega”, “muda” e “manca”, para que outros “vejam”, “falem” e “andem”; a secularização das “nações mais ricas” que teimam ser minorias. A esperança que nasce do sorriso de uma criança necessitada... O passeio é vasto e variado. Dificilmente entediará.

Importa salientar também, que se o exercício da educação é o de paternidade, isso implica depositar nos pais oficiais a responsabilidade que lhe é própria, sem ocultar a nossa, a do Estado e a do educando. Se esse raciocínio estiver certo, o educando será, salvo algumas exceções, reflexo de sua criação, ou reflexo dos seus modelos. Se não o for, pelo menos trará “embutido” em si, fragmentos (des) necessários. Quanto a isto, Erasmo adverte para o seguinte: “Apenas sobre um ponto advertiria com atrevimento, (...) não te amoldes à opinião e ao exemplo muito em voga, deixando decorrerem os primeiros anos do teu filho sem tirar proveito algum da instrução. Faze o aprender (...) antes que a idade fique menos dúctil e o ânimo mais propenso aos defeitos (...)” op. cit.

Muito tem se exigido da escola e do professor. Existem várias lacunas sociais que insistem que esses dois grupos preencham. O resultado todo mundo já o sabe. Se a educação não for conduzida, essencialmente, pela quadra: pais oficiais, “pais educadores” e alunos interessados, nenhum método funcionará, provocará apenas cócegas aos ouvidos.

Esse será um trabalho que implicará conformar quatro grupos: dois que estejam dispostos a falar e a indicar (pais oficiais e o magistério), um que esteja disposto a implementar políticas públicas sérias de educação (o governo), e o outro que esteja disposto a ouvir, ver e pensar (os alunados). Neste século, tem sido mais fácil falar e menos a ouvir. Eis um grande desafio pela frente. O grupo dos que representam o governo tem ganhado com a deseducação. Por uma questão de natureza, e escolha deliberada, o educador está disposto a falar e a mostrar, apesar das limitações. E o educando? Está disposto a ouvir, ver e pensar? 

Postagens mais visitadas deste blog

O Regime das Adesões e Traições (I)

O jogo sujo de alguns líderes políticos de submeterem o apoio de seus partidos a um futuro governo Temer, ao controle dessa ou daquela pasta, pode levar esse futuro “governo provisório” a um final fatídico. No campo das expectativas o seu fracasso pode gerar decepções maiores às percebidas no último governo Dilma; isso porque embora as promessas de campanha de Dilma fossem falsas e irrealistas, Temer é visto como alguém mais centrado, equilibrado e ciente do que pode e deve ser feito para encaminhar o Brasil até 2018 com um controle maior sobre as contas públicas, os gastos, em respeito à Lei de Responsabilidade Fiscal, uma capacidade maior de atrair investimentos estrangeiros, uma melhor relação interpessoal com o legislativo e o judiciário, dentre outros benefícios. Assim, dele se espera muito, ainda que não admitamos em público.

O Brasil lhe agradece, Felipão

O fato da Copa do Mundo de Futebol está sendo realizada no Brasil, provocou inúmeros questionamentos sobre sua relevância em nosso território. Os movimentos populares, ocorridos em várias partes do país, pelo “não vai ter copa” tentavam ecoar na mente e nos corações, proposições sobre a importância de se aplicar em outras demandas os bilhões de reais gastos com a Copa da FIFA 2014, além de chamar à atenção para o que foi deixado de ganhar pela isenção de tributação à FIFA.

Militância Juvenil: a caminho do quê?

Durante o curso de graduação em História, no Rio de Janeiro, as aulas quase sempre eram interrompidas por colegas que integravam o DCE (Diretório Central de Estudantes). A eleição para presidente do mesmo era disputadíssima, geralmente seu presidente era o braço e a voz da esquerda e dos comunistas dentro da faculdade. Ou seja, seus integrantes eram ligados aos partidos da esquerda mais radical ou aos comunistas. Na maioria, do PT e do PCdoB, depois alguns migraram para o PSOL. O catedrático da cadeira de História Moderna, inclusive, foi quem passou a lista solicitando assinaturas para ajudar fundar o PSOL, depois de se dizer decepcionado com o Partido dos Trabalhadores. Com todo respeito que lhe devo, mas, foi um otário.