Pular para o conteúdo principal

Desafios comportamentais da educação do Século XXI: conformações para uma educação melhor

Quando iniciei a escrita deste artigo, pensava nos educadores. Talvez acreditando que eles fossem a “pedra de esquina” da construção do saber. Tal foi a minha surpresa, quando comecei a refletir mais sobre o assunto. Lembrei-me logo daquela “pedra de esquina” mais antiga que “os construtores rejeitaram e jogaram fora”. Não estamos dizendo em hipótese alguma que os educadores não são peças fundamentais no processo educativo, mas, que os educandos têm uma rubrica indelével no processo de aprendizado. Contudo, os estudantes deste século, o brasileiro sobre tudo, estão “formatados” pelo status quo político, midiático e tecnológico para não representarem uma força em sentido contrário à atual conjuntura do país. A criança e o adolescente não sabem que o que os educadores pretendem é antes de tudo, convidá-los a trilhar alguns caminhos.

Erasmo de Rotterdam em seu livro sobre os meninos chega à conclusão parecida, quando afirma que o educador realiza, em plenitude, a paternidade. Essa constatação ganha sentido se compreendermos a vocação de um pai: Com seu filho ainda jovem, andam pelo parque, pelas ruas, pela praça, pelos saberes dos livros e das artes pictóricas, com a quase despreocupação de querer lhe ensinar alguma coisa. Mas, em mostrar-lhe o mundo para que possas apreciá-lo e assim, que aprendas a ver com os próprios olhos e tirar suas próprias conclusões.

"Os educandos têm uma rubrica indelével no processo de aprendizado"

O que uma criança poderia apreender nessa caminhada? Os sinais que despertam das rugas dos velhinhos nas praças públicas - que mostram cansaço, paciência e sabedoria; a mansidão e a prudência com que os pombos se alimentam nas praças; o som do universo no silêncio da noite; a música dos pássaros ecoada da vasta e assustadora floresta; as lágrimas dos menos abastados nos cantões da vida na cidade; a poesia realista e romântica que ao mesmo tempo em que choca, encanta.

As grandes telas que aprofundam a sensibilidade da alma; a simplicidade do caipira que nos ensina a conviver com o outro e com as coisas mais singelas da vida, sem querer nada em troca; os cálculos matemáticos que estão por trás da arquitetura do universo; a ciência empírica e funcional na mente dos povos da floresta; a brutalidade do homem que faz as guerras; as “marcas” da África que adoece “cega”, “muda” e “manca”, para que outros “vejam”, “falem” e “andem”; a secularização das “nações mais ricas” que teimam ser minorias. A esperança que nasce do sorriso de uma criança necessitada... O passeio é vasto e variado. Dificilmente entediará.

Importa salientar também, que se o exercício da educação é o de paternidade, isso implica depositar nos pais oficiais a responsabilidade que lhe é própria, sem ocultar a nossa, a do Estado e a do educando. Se esse raciocínio estiver certo, o educando será, salvo algumas exceções, reflexo de sua criação, ou reflexo dos seus modelos. Se não o for, pelo menos trará “embutido” em si, fragmentos (des) necessários. Quanto a isto, Erasmo adverte para o seguinte: “Apenas sobre um ponto advertiria com atrevimento, (...) não te amoldes à opinião e ao exemplo muito em voga, deixando decorrerem os primeiros anos do teu filho sem tirar proveito algum da instrução. Faze o aprender (...) antes que a idade fique menos dúctil e o ânimo mais propenso aos defeitos (...)” op. cit.

Muito tem se exigido da escola e do professor. Existem várias lacunas sociais que insistem que esses dois grupos preencham. O resultado todo mundo já o sabe. Se a educação não for conduzida, essencialmente, pela quadra: pais oficiais, “pais educadores” e alunos interessados, nenhum método funcionará, provocará apenas cócegas aos ouvidos.

Esse será um trabalho que implicará conformar quatro grupos: dois que estejam dispostos a falar e a indicar (pais oficiais e o magistério), um que esteja disposto a implementar políticas públicas sérias de educação (o governo), e o outro que esteja disposto a ouvir, ver e pensar (os alunados). Neste século, tem sido mais fácil falar e menos a ouvir. Eis um grande desafio pela frente. O grupo dos que representam o governo tem ganhado com a deseducação. Por uma questão de natureza, e escolha deliberada, o educador está disposto a falar e a mostrar, apesar das limitações. E o educando? Está disposto a ouvir, ver e pensar? 

Postagens mais visitadas deste blog

Celso de Mello entre o dilema Quarta-feira de cinzas e Páscoa

Bem que a quarta-feira próxima, dezoito de setembro de dois mil e treze, poder-se-ia se transformar numa antecipação simbólica da quarta-feira de cinzas do calendário judaico-cristão, dia inaugural da quaresma. Período de forte simbolismo, em que a maioria dos cristãos do ocidente e da comunidade judaica ficam reflexivos, e a lembrarem da saída do povo de Israel do Egito rumo à Canaã, após quarenta anos de prisão. 
É, pois, um dia de lembrança da condição de mortal e das próprias limitações. Um tempo de reexame de nossas ações, de lamento e de renovadas esperanças. É por isso que os católicos recebem as cinzas na testa. É por isso que muitos relatos bíblicos fazem menção a personagens que na hora da tristeza e do lamento lançaram cinzas sob a própria cabeça, em sinal de arrependimento e de reconhecimento da condição de diminuto valor. Sem esse ritual da quaresma não se pode entrar à Páscoa cristã, ou ao Pessach judaico. Ou seja, vivenciarem o êxodoOs quarenta anos no Egito foram quesit…

Escalpelamento: uma tragédia aununciada

A região norte, sobretudo a área ribeirinha, guarda contornos sociais, políticos e culturais que chocam as pessoas de bem, e limitam a capacidade de agir. O mesmo se poderia dizer de outras áreas da federação, sim, talvez, como o nordeste por exemplo. No mês passado, em 28 de agosto, se comemorou o Dia Nacional de Combate e Prevenção ao Escalpelamento.  
Não houve festas, pelo menos para as vítimas desse infortúnio. Desde 2007 que tramita na Câmara dos Deputados federal algum tipo de projeto, indicação ou ementa versando sobre o assunto, porém, timidamente, somente dois foram transformados em Lei: PL 1531/2007 e PL 1883/2007. O primeiro, dois anos depois, tornou obrigatório o uso de proteção no motor e eixo das embarcações em todo território nacional, o segundo, três anos depois, instituiu o Dia Nacional de Combate e Prevenção ao Escalpelamento.
Parece-me, pelo visto, que os deputados e senadores não perceberam a importância e a gravidade da causa. Debruçam sobre seus próprios interesse…

Liberdade de imprensa (I)

A liberdade da imprensa brasileira nas grandes coberturas jornalísticas, envolvendo casos de corrupção nos quadros políticos do Brasil, provoca uma indagação: essa liberdade existe ou é apenas aparente? 

Do ponto de vista dialético, a liberdade de imprensa existe. Ou seja, na medida em que exista a possibilidade de tornar o “fato” político – público, e, as versões confrontadas. Contudo, é possível constatar que nas grandes matérias envolvendo corrupção, a grande mídia só divulgou as notícias depois que ocorreu o “furo de reportagem” por parte de um único veículo de comunicação.

Cumpre se perguntar se nesse esforço dialético há de fato uma preocupação na manutenção da imparcialidade e na persecução da investigação das denúncias publicadas, ou seja, divulgar as matérias sem a intenção de alienar as massas, com o objetivo de desinformar, ao invés de informar. Se a mídia se posicionasse nesse quadro com imparcialidade, tratar-se-ia de uma mídia independente, com liberdade e transparência.
Ab…