Pular para o conteúdo principal

Celso de Mello entre o dilema Quarta-feira de cinzas e Páscoa


Bem que a quarta-feira próxima, dezoito de setembro de dois mil e treze, poder-se-ia se transformar numa antecipação simbólica da quarta-feira de cinzas do calendário judaico-cristão, dia inaugural da quaresma. Período de forte simbolismo, em que a maioria dos cristãos do ocidente e da comunidade judaica ficam reflexivos, e a lembrarem da saída do povo de Israel do Egito rumo à Canaã, após quarenta anos de prisão. 

É, pois, um dia de lembrança da condição de mortal e das próprias limitações. Um tempo de reexame de nossas ações, de lamento e de renovadas esperanças. É por isso que os católicos recebem as cinzas na testa. É por isso que muitos relatos bíblicos fazem menção a personagens que na hora da tristeza e do lamento lançaram cinzas sob a própria cabeça, em sinal de arrependimento e de reconhecimento da condição de diminuto valor. Sem esse ritual da quaresma não se pode entrar à Páscoa cristã, ou ao Pessach judaico. Ou seja, vivenciarem o êxodo Os quarenta anos no Egito foram quesito pedagógico-legal-suficiente para a libertação. 

O Ministro Celso de Mello está a um voto de antecipar a quarta-feira de cinzas dos réus da Ação Penal 470, ou de antecipar o Carnaval e a Páscoa, neste último caso, saltando, portanto, uma etapa. Deixando uma lacuna, indelevelmente, em branco, que, paradoxalmente, maculará o seu nome e do Supremo Tribunal Federal para todo o sempre - e assim o seja. O povo pode ter memória curta, mas ficará registrado nos Anais da História republicana brasileira ininterruptamente. Dificilmente o povo e a sociedade olharão para a Praça dos Três Poderes da mesma forma. A justiça, de fato, se mostrará cega?

Celso de Mello, para fazer justiça, só precisará se lembrar do que representa a Constituição da República de 1988. Nada mais do que isso, no que pese as contribuições magnificas do ministro Luiz Fux e da ministra Carmem Lúcia, sem desmerecimentos dos demais. Para extrair o significado da Carta de 1988 precisará lançar mão das teorias de Ferdinand Lassale e Konrad Hesse – introduzidas nas obras: A essência da Constituição e A força normativa da Constituição - respectivamente. 

Na primeira obra desenvolveu-se a teoria dos fatores reais de poder. A Constituição era vista como um subproduto de elementos sociais e políticos. Produzida a partir de sistemas que os homens criam para dominarem ou se apropriarem da riqueza socialmente produzida. Entendia a Constituição como uma “folha de papel”, sob a qual estão firmadas as instituições jurídicas. Algo que pode ser rasgado a qualquer momento. Logo, o modelo de Carta defendido pelo ministro Luís Roberto Barroso, do plenário do STF.

A segunda obra – de Konrad Hesse – A força normativa da Constituição – trouxe a teoria exarada no título da obra. Entendida como a capacidade de a Constituição lograr êxito em eficácia constitucional. Sua pretensão de eficácia apresenta-se como elemento autônomo no campo de forças do qual resulta a realidade do Estado. A Constituição não configura apenas a expressão de um ser, mas também de um dever ser, não pode ser considerada mero pedaço de papel, na medida em que a pretensão de eficácia busca conferir ordem e conformação à realidade política e social. Logo, discernia as normas jurídicas como parte de um sistema coeso, como o ministro Marco Aurélio Mello também entendeu que era o correto. Portanto, não somente por isso, mas também pelo silêncio eloquente da Lei 8.038/90, o inciso I do artigo 333 do Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal encontra-se tacitamente revogado. Hans Kelsen afirmava que direito é norma produzida pelo Estado, e numa hierarquia piramidal inseriu todas as outras normas abaixo da Constituição, então, por que essa obstinação em querer admitir os embargos infringentes? O sistema está militando a favor dos condenados como avaliava Ferdinand Lassale?

Deixará o ministro Celso de Mello que os réus da ação penal 470 se preparem para mais um
carnaval, conforme ilustra a obra de Debret acima? Ou, tal como o patriarca Job, personagem da obra do mexicano Gonzalo Carrasco, à direita, tais réus seguirão mudos e submissos, com cinzas sob a cabeça, rumo ao exílio e ao monturo, para desfrutarem do êxodo e da Páscoa somente alguns anos depois? Estaremos diante de um devido processo legal ou de um indevido processo ilegal? Por ora, o que a análise sistemática do direito brasileiro elucida e que toda a sociedade brasileira espera é que a justiça seja feita com a inadmissibilidade dos embargos infringentes e o transito em julgado da ação penal 470.


Palavras-chaves: Celso de Mello, mensalão, STF

Postagens mais visitadas deste blog

Escalpelamento: uma tragédia aununciada

A região norte, sobretudo a área ribeirinha, guarda contornos sociais, políticos e culturais que chocam as pessoas de bem, e limitam a capacidade de agir. O mesmo se poderia dizer de outras áreas da federação, sim, talvez, como o nordeste por exemplo. No mês passado, em 28 de agosto, se comemorou o Dia Nacional de Combate e Prevenção ao Escalpelamento.  
Não houve festas, pelo menos para as vítimas desse infortúnio. Desde 2007 que tramita na Câmara dos Deputados federal algum tipo de projeto, indicação ou ementa versando sobre o assunto, porém, timidamente, somente dois foram transformados em Lei: PL 1531/2007 e PL 1883/2007. O primeiro, dois anos depois, tornou obrigatório o uso de proteção no motor e eixo das embarcações em todo território nacional, o segundo, três anos depois, instituiu o Dia Nacional de Combate e Prevenção ao Escalpelamento.
Parece-me, pelo visto, que os deputados e senadores não perceberam a importância e a gravidade da causa. Debruçam sobre seus próprios interesse…

Liberdade de imprensa (I)

A liberdade da imprensa brasileira nas grandes coberturas jornalísticas, envolvendo casos de corrupção nos quadros políticos do Brasil, provoca uma indagação: essa liberdade existe ou é apenas aparente? 

Do ponto de vista dialético, a liberdade de imprensa existe. Ou seja, na medida em que exista a possibilidade de tornar o “fato” político – público, e, as versões confrontadas. Contudo, é possível constatar que nas grandes matérias envolvendo corrupção, a grande mídia só divulgou as notícias depois que ocorreu o “furo de reportagem” por parte de um único veículo de comunicação.

Cumpre se perguntar se nesse esforço dialético há de fato uma preocupação na manutenção da imparcialidade e na persecução da investigação das denúncias publicadas, ou seja, divulgar as matérias sem a intenção de alienar as massas, com o objetivo de desinformar, ao invés de informar. Se a mídia se posicionasse nesse quadro com imparcialidade, tratar-se-ia de uma mídia independente, com liberdade e transparência.
Ab…