Pular para o conteúdo principal

A maldição do teleférico

É curioso notar como alguns assuntos de somenos importância, como por exemplo: fulana está namorando com sicrano ganham dimensões nacionais, e outros, apesar da relevância, não. Tomemos agora o exemplo da seguinte manchete: “Moradores da Rocinha rejeitam teleférico e cobram que verba seja usada no saneamento básico”.[1] Essa reportagem não teve da mídia o tratamento adequado. 
Deixei o Rio de Janeiro faz alguns anos. Quando retornei a passeio pude me defrontar com os teleféricos. O primeiro que observei foi o do Morro do Alemão – R$ 210,00 mi[2] foi o seu custo total, e seu custo mensal, a título de subsídio, está sendo de R$ 2 milhões. Gosto não se discute, há quem os considere bonitos e úteis. Confesso que a minha primeira impressão não foi muito agradável. Mas o que quero argumentar é sobre sua relevância atual, diante de tantas outras mais pertinentes.

A população da Rocinha já fez sua escolha: O teleférico foi rejeitado. Pelo menos por enquanto. O povo da Rocinha tem outros pleitos que esperam por soluções há mais tempo. Nenhum dos governantes que passaram pelo Palácio Guanabara, pelo menos nos últimos 30 anos, tiveram a sensibilidade e a coragem para fazer obras de infraestruturas e de saneamento básico nas comunidades cariocas. Preferiram realizar arquiteturas grandiosas ou faraônicas, como chamarizes para conquistar votos.

Continuemos com a Rocinha como modelo, mas poderia ser qualquer outra comunidade carioca. Após a ocupação da Rocinha pela UPP – Unidade Policial Pacificadora – a imundice com a qual convivia a população daquela “favela” saltou aos olhos de todos os brasileiros. Nenhuma novidade até aqui, porém, não se pôde mais tentar encobrir ou disfarçar a omissão e o descaso de décadas dos governantes “cariocas”.

Sérgio Cabral e a Presidenta Dilma perderam uma grande oportunidade de fazer diferente. Os milhões de Reais gastos no símbolo carioca do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) – o teleférico - deveriam ter sido “canalizados” nas “favelas”, em forma de infraestrutura básica, saneamento, moradias, postos de saúde, creches, escolas e professores. Os políticos continuam subestimando a consciência do povo, acreditando que conseguirão ludibria-los por muito mais tempo, com o “pão” (bolsa família) e o “circo” (teleféricos, estádios).

Esse descontentamento da comunidade da Rocinha também é sentido por outras comunidades e, por outras parcelas da sociedade. As manifestações de junho representam bem essa ideia. O fato é que esse desgosto é emblemático e pode reverberar-se nas próximas eleições presidenciais. Aqueles que tinham a certeza de que a supremacia PMDB-PT fosse persistir por mais tempo, devem estar se perguntando agora: o que será do amanhã? Responda quem puder. Mas a “maldição” do teleférico vai continuar assombrando até lá.




[1] (CBN, 2013)
[2] (GOMIDE, 2012)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Celso de Mello entre o dilema Quarta-feira de cinzas e Páscoa

Bem que a quarta-feira próxima, dezoito de setembro de dois mil e treze, poder-se-ia se transformar numa antecipação simbólica da quarta-feira de cinzas do calendário judaico-cristão, dia inaugural da quaresma. Período de forte simbolismo, em que a maioria dos cristãos do ocidente e da comunidade judaica ficam reflexivos, e a lembrarem da saída do povo de Israel do Egito rumo à Canaã, após quarenta anos de prisão. 
É, pois, um dia de lembrança da condição de mortal e das próprias limitações. Um tempo de reexame de nossas ações, de lamento e de renovadas esperanças. É por isso que os católicos recebem as cinzas na testa. É por isso que muitos relatos bíblicos fazem menção a personagens que na hora da tristeza e do lamento lançaram cinzas sob a própria cabeça, em sinal de arrependimento e de reconhecimento da condição de diminuto valor. Sem esse ritual da quaresma não se pode entrar à Páscoa cristã, ou ao Pessach judaico. Ou seja, vivenciarem o êxodoOs quarenta anos no Egito foram quesit…

Escalpelamento: uma tragédia aununciada

A região norte, sobretudo a área ribeirinha, guarda contornos sociais, políticos e culturais que chocam as pessoas de bem, e limitam a capacidade de agir. O mesmo se poderia dizer de outras áreas da federação, sim, talvez, como o nordeste por exemplo. No mês passado, em 28 de agosto, se comemorou o Dia Nacional de Combate e Prevenção ao Escalpelamento.  
Não houve festas, pelo menos para as vítimas desse infortúnio. Desde 2007 que tramita na Câmara dos Deputados federal algum tipo de projeto, indicação ou ementa versando sobre o assunto, porém, timidamente, somente dois foram transformados em Lei: PL 1531/2007 e PL 1883/2007. O primeiro, dois anos depois, tornou obrigatório o uso de proteção no motor e eixo das embarcações em todo território nacional, o segundo, três anos depois, instituiu o Dia Nacional de Combate e Prevenção ao Escalpelamento.
Parece-me, pelo visto, que os deputados e senadores não perceberam a importância e a gravidade da causa. Debruçam sobre seus próprios interesse…

Liberdade de imprensa (I)

A liberdade da imprensa brasileira nas grandes coberturas jornalísticas, envolvendo casos de corrupção nos quadros políticos do Brasil, provoca uma indagação: essa liberdade existe ou é apenas aparente? 

Do ponto de vista dialético, a liberdade de imprensa existe. Ou seja, na medida em que exista a possibilidade de tornar o “fato” político – público, e, as versões confrontadas. Contudo, é possível constatar que nas grandes matérias envolvendo corrupção, a grande mídia só divulgou as notícias depois que ocorreu o “furo de reportagem” por parte de um único veículo de comunicação.

Cumpre se perguntar se nesse esforço dialético há de fato uma preocupação na manutenção da imparcialidade e na persecução da investigação das denúncias publicadas, ou seja, divulgar as matérias sem a intenção de alienar as massas, com o objetivo de desinformar, ao invés de informar. Se a mídia se posicionasse nesse quadro com imparcialidade, tratar-se-ia de uma mídia independente, com liberdade e transparência.
Ab…